Os vinhos de muita bossa, nossa!, de Filipa Pato

filipa615
Filipa Pato está entre os melhores enólogos e produtores portugueses segundo Jancis Robinson e conta com nada menos do que três estrelas de Hugh Johnson!
A primeira vez que entrevistei Filipa Pato ela acabava de chegar ao Brasil em agosto de 2007 acompanhada do então namorado, o belga William Walters sommelier e restaurateur da Antuérpia, com quem tem hoje dois filhos e a empresa Vinho Doidos.  Vinha a convite de sua importadora a Casa Flora/ Porto a Porto e trazia na bagagem seu Lokal Sílex 2004,  e “nossa!”, exclamei ao primeiro gole, “como é bom!”
Na época, dizia-se de Filipa que filha de Pato (Luis Pato, o mestre da Baga) Patinha é…
Pois hoje o nome de Filipa Pato se alça e se mantém sozinho no grupo de ponta de grandes e inventivos enólogos de Portugal ou de onde quer que seja. Jancis Robinson, em seu enciclopédico Wine Grapes, recomenda Filipa Pato como um dos melhores produtores de Bical e Hugh Johnson lhe confere três estrelas em seu Pocket Wine Book 2014!
Ela pertence à quinta geração da família a fazer vinhos, e a fazer sozinha! Mais uma mulher da qual se pode dizer que atrás de uma mulher bem sucedida só existe ela mesma.
Luis Pato, o homem que domou a baga como convencionou-se dizer e com razão porque a baga não é para principiantes, deve ter seguido o modelo dos patos que simplesmente empurram os patinhos para água e eles que saiam a nadar.
Filipa nos contou no início de fevereiro deste ano (6/2/14) que o pai avisou: se quer começar no vinho, que começasse sozinha e aí saberia o que era difícil. Ah, e também não estaria à sombra do pai como efetivamente não está.
E Filipa Pato, esta enóloga jovem, brilhante, dinâmica, cheia de vida e energia que dispensa cosméticos tal qual seus vinhos, nos confessou: foi mesmo difícil fazer os vinhos que sonhava.
Com formação em Bordeaux, estágios na Austrália, Argentina e França, Filipa começou aos 25 anos com a ajuda da avó Maria Tereza Pato que lhe cedeu vinhedos e uma vinícola de 1888 por volta de 2001.
Em 2010 adquiriu de outra avó uma nova adega onde usa picos de 500 litros e com sala de provas. Somente trabalha com uvas nativas – baga, bical, arinto e, no caso dos tintos, apenas a difícil baga (para saber mais, vide final do artigo).
Seus vinhos são como ela: cheios de energia, sem maquiagem e sem meias palavras, fortemente identificados com a Bairrada e o Dão de onde eles e ela vêm.
Não tem mesa de seleção das uvas, porque o cuidado na vinha é o máximo. Faz compostagem com estrume de vaca que deixa madurar um ano. Não usa pesticidas nem nada. Não fazem correções de ácidos e de açúcar. Usa lagares de carvalho para o Nossa como os antigos lagares romanos da região. No Douro os lagares são de granito e na Bairrada de carvalho. Cada vez tem vinhas mais velhas entre 20 e 110 anos. Os vinhos Nossa são grandes vinhos. Impecáveis! Para dizer mesmo minha Nossa!
De tanto ouvir a exclamação tão brasileira nossa!, a palavra que marcou William que não falava português, os dois vinhos da Vinhos Doidos levam o nome de Bossa (tributo à bossa nova) e de Nossa. Não deixe de degustar o Nossa Calcário 2011 que é de arrancar muito Nossa! de nossas bocas…
Seu Nossa Calcário Bairrada 2011 é um vinhaço com a maior pontuação – 18,5 ou 96 pontos – na seleção de vinhos tintos que a Decanter Magazine de jan/14 selecionou e que inclui vinhos dos melhores produtores de baga como Luis Pato,  Dirk Nieeport e Luis Patrão.
Seu  instigante e mineral Nossa Calcário Branco 2011 foi considerado por Jancis Robinson em 2013 como o melhor branco português ao lado de Redoma Reserva Nossa 2007 de Niepoort. E estejam certos, há nele algo que recorda os brancos de Didier Daguenau antes do acidente que lhe tirou a vida.
Notas de degustação
 

Vinhos Doidos , empresa de Filipa Pato e seu marido William Walters, tem por conceito a quebra de paradigmas, vinhos da Bairrada produzidos de uma forma totalmente moderna e muito diferenciada. São eles o Bossa e o Nossa. O Bossa é  vinho de festa, de volume, fácil e simples de beber feito com a casta Maria Gomes. O Nossa é mais elaborado, complexo.

 
Nossa Calcário Branco 2011 
Vinhos Doidos
Amarelo claro com reflexos esverdeados.
Frutas amarelas em nariz. Fantástico em boca com muita e agradável personalidade.
Pêssego branco, cítrico, grande estrutura, foco. Grande salinidade.
Redondo em boca e também com deliciosa e saborosa salinidade. Notas de frutas secas. Notas defumadas. Fermenta em madeira lentamente e fica 6 meses no pipo e depois vai para inox.
Muito fresco.
3 mil garrafas apenas. Para guarda até 20 anos . Recorda Didier Daguenau pela salinidade e personalidade. Muito mineral. R$130,41
 
Nossa Calcário Tinto R$ 130,41
Corte de Bical e Encruzado.
Tinto superior com a forte presença da baga, muito intensa, muito presente. Tabaco no nariz. Apenas Baga. Complexo, superior, pra dizer Nossa!
Está é novidade absoluta!
 
 Filipa Pato Brut Rose 3B
Espumante 70% baga e 30% bical. Passa 9 meses sur lies.
Salmonado na taça.
Borbulhas mínimas e irrequietas. Bom ataque de agulhas, mousse cremosa.
Frutas, cereja. Boa acidez.
Um espumante fácil de beber e de pagar. R$66,81
Filipa Pato Bical Arinto BC 2011 
Amarelo dourado na taça.
Bela acidez, saboroso, notas picantes em boca. Com a Bical falando mais alto. Uma beleza de branco neste verão. Sedoso e cítrico em boca.
Fermenta em pipas. Mineral, frutado e com notas de salinidade.
Muito fresco. Um vinho de entrada. R$65,09
Filipa Pato Baga & Touriga 2009 
Muita fruta no nariz. Frutado em boca, taninos presentes , perfeitos para carnes. Fácil de beber, médio corpo. Final longo e com muita personalidade. Muito agradável na entrada e com uma pegada na saída. R$57,86
Filipa Pato FLP Doce Bairrada DOC 2009 
Frutas cítricas, tropicais, notas minerais, levemente adocicado. Bela acidez,  uma beleza!
R$129,29
Para saber mais
A baga é difícil porque:
1) demora para amadurecer e não está no ponto quando chegam as chuvas do outono, daí a necessidade de estar plantada em solos argilosos-calcários que fazem boa drenagem, retêm o calor e o transferem às plantas;
2) é muito vigorosa e tânica, exige uma gestão ou lida nos vinhedos de modo a acelerar seu amadurecimento para melhorar a qualidade de seus taninos.

About silviafranco

Wine writer.
This entry was posted in Notícias, Uncategorized, Vinhos and tagged , , , , . Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s