A discreta elegância dos vinhos do Oregon

Image

Belos Pinots sejam Pinot Noir ou Pinot Gris com a elegância do Velho Mundo! 

 

 Enquanto Washington State se destaca pelos Cabernet Sauvignon terrosos e cheios de energia, Oregon se notabiliza pelos Pinot Noir muito claros, delicados e complexos e por um Pinot Gris vibrante.

 

Oregon têm experimentado bastante e vem elaborando vinhos com Vermentino, Albariño, Grüner Veltliner, Auxerrois, Lagrein e Grenache Blanc. 

 

E, claro,  os europeus já rumaram para lá. 

 

Domaine Drouhin-Oregon está lá desde 1987 e no ano passado, 2013, adquiriu Roserock em Eola-Amity Hills, Willamettte Valley. Para a enóloga Veronique Drouhin-Boss os pinots de Oregon são um pouco mais estruturados e intensos do que os  Chambolle-Musigny e Gevrey-Chambertin na Borgonha, respectivamente. A Mistral importa os vinhos do Oregon e da Borgonha elaborados por Veronique.

 

Quem acaba de desembarcar no Oregon é a Louis Jadot. E o Oregon é a sua primeira investida fora da França numa aquisição de 13 ha de Resonance Vineyard, em Yamhill-Carlton, uma AVA (american vineyard area) de primeira linha. Os californianos também não estão perdendo tempo.Jackson Family Wines comprou recentemente a Solena Estate, cujo vinho aqui degustado provou-se muito e muito interessante.

 

A área plantada em Oregon expandiu-se em  25% em 2011 (fonte: South Oregon University, Novembro 2013). Também em 2011 a produção de uvas vitis viníferas cresceu um terço para um record de 41.500 toneladas (fonte: US Department of Agriculture).

 

Você encontra vinhos do Oregon importados para o Brasil: Domaine Drouhin-Oregon na Mistral; Domaine Serene na World Wine e Erath na Winebrands. 

 

Notas de degustação 

 

Os pinot noir da Domaine Drouhin Oregon (Mistral) e da Domaine Serene (World Wine) são fantásticos e caros, nos EUA e no Brasil. Mas o da Ponzi e da Argyle, sem importador no Brasil, são muito bons e os Pinot Gris da Soléna e da Benton Lane, cada qual no seu estilo, também valem a pena. É torcer para que alguém os importe. 

 

Os Pinot Noirs do Oregon aparentemente têm em comum um rubi muito claro em taça. 

 

1. Benton Lane Pinot Gris 2011

Willamette Valley, Oregon

13,55% graduação alcoólica. 

87 pontos da Wine Spectator. US$17

Amarelo palha com reflexos esverdeados em taça.

Aroma intenso que sobe da taça. Aromas de frutas brancas, maçã verde. Delicioso!

Em boca, é crispy, crocante. Sharp.  Acidez cativante, muito fresco e sedoso em boca. Frutado e citrico. 

Um branco de médio para leve corpo, muito equilibrado e elegante. Uma alegria ou uma epifania. 

 

2. Soléna Pinot Gris 2011

Willamette, Dundee, Oregon

13,5% graduação alcoólica 

88 pontos Wine Spectator US$17

Soléna  pertence a Laurent Montalieu e Danielle Andrus Montalieu, mas as últimas notícias é de que foi adquirida pela Jackson Family Wines. Laurent foi por muitos anos enólogo e sócio  de WillaKenzie no Oregon. Em 2003 deixou para se dedicar integralmente a Soléna onde havia comprado terra. Formou-se em enologia por Bourdeaux. Sua esposa Danielle também tem um belo background em enologia, cujos pais fundadores de Archery Summit mantém a liderança no Oregon em Pinot Noir.

Se você me perguntar o que os britânicos Hugh Johnson e Oz Clarke dizem sobre Soléna, confesso que não dizem nada. Afinal, como revela Hugh Johnson são muitas as vinícolas e Soléna é uma ilustra desconhecida hoje, mas aguardem, pois seu Pinot Gris é bem frutado, nuançado e leve.

Amarelo palha com reflexos esverdeados.

Aromas de frutas brancas. Melão. 

Em boca é um vinho seco frutado, sutilmente doce pela fruta e suave. Melão e frutas brancas. De acidez menos pronunciada. Equilibrado e elegante. Boa persistência.

Melão em boca.

Muito equilibrado e elegante. Pensando bem, a Wine Spectator acertou em dar 1 ponto a mais para o Soléna. É um nadinha superior ao Benton Lane. 

 

3.Pinot Noir 2008 Domaine Drouhin Oregon !!!+

Este é um tinto vigoroso e muito delicado. Complexo no nariz, aromas de violeta, especiarias e humus. Na boca, sedoso. Puro prazer.

Degustei este belo Pinot Noir em uma garrafa de 375 ml, portanto mais evoluído do que se fosse em 750 ml. Também degustei o Pinot Noir 2009 Domaine Drouhin que está encorpado, e é puro veludo em boca. No nariz violeta, pimenta, humus. Uma beleza. Para guarda por mais 3 anos pelo menos.

 

Os Pinot Noir Domaine Drouhin 2008 e 2009 são elaborados com uvas de Dundee Hills e o de 2008 foi apontado como “outstanding” pela revista Burghound – uma das maiores autoridades em vinhos da Borgonha da atualidade – que enfatizou a “excelente qualidade” deste vinho. Basta você provar para confirmar. Ambos têm em comum elegância, finesse e equilíbrio, um conjunto nada fácil de se encontrar em pinot noir de Novo Mundo.

Pinot Noir Domaine Drouhin 2008 por R$218 na Mistral.

 

4.Cloudline Pinot Noir Domaine Drouhin 2009 !!!+

Este tem toda a tipicidade de um Pinot Noir. É projeto da talentosa enóloga Veronique Drouhin com o objetivo de elaborar o Pinot Noir de melhor relação preço qualidade.

 
Muito fresco no nariz. Aromas de húmus, frutas negras, especiarias, pimenta.

 

Preciso, sharp como dizem os americanos, corpo bem balanceado e sem excessos de frutas e de madeira como se vêem nos pinots do Novo Mundo.

Em boca, médio corpo, delicado, elegante e austero.  Equilibrado, harmonioso. Um elegante Pinot Noir de Novo Mundo.

R$109,70 na Mistral, sua importadora. 

 

 

5.Ponzi Pinot Noir 2010 !!!++

Willamette, Oregon

13,6% graduação alcoólica

89 pts Wine Spectator US$25

Ponzi Vineyards é uma lenda na região agora na 2a. Geração. Fazem excelentes vinhos e ostentam as quatro estrelas de Hugh Johnson. 

Luisa Ponzi, a enóloga, elabora Pinot Gris excepcionais e outos brancos como chardonnay e Pinot Blanc para ser bebidos jovens. 

Este Ponzi Pinot Noir é uma corte de diversos terroirs deles. Não é o Reserva. É fácil  de beber e custou US$17,  tem complexidade e elegância!

Delicado rubi granada em taça.

No nariz toda a tipicidade da Pinot Noir europeia. Champignons, húmus, terra molhada. Frutas equilibradamente maduras. Cereja e pimenta.

Em boca, sedoso, com uma instigante acidez e ataque. Especiarias, ervas, pimenta em boca. Médio corpo, estruturado  e longa persistência.

Um Pinot Noir estruturado e com uma pimentinha em boca. Muito caráter, personalidade, boa fruta.

Se este já é bom, imagina o Reserva!

 

6.Argyle Pinot Noir 2012 !!!

Grower Series

Willamette Valley, Oregon

13,5% graduação alcoólica 

Sem pontuação na WS embora o Argyle 2011 tenha recebido 85 pts. US$25

Fundado em 1987 por Brian Crosser e pelo versátil enólogo Rollin Soles. Willamette Valley é excelente para Pinot Noir e Chardonnay. Leva as três estrelas de Hugh Johnson em seu Wine Pocket Book 2014. 

Delicado rubi bem claro em taça .

Muito frutado. Aromas de morangos, cereja, groselha vermelha.

Em boca, muito fresco, frutado,  leve de corpo, mas com vigor e energia. Boa acidez, elegância e equilíbrio. 

Este é um Pinot Noir clean, fruta pura, boa persistência! fácil de beber! e elegante.

 

7. Domaine Serene Etoile Chardonnay 2009 !!!+

Importação de World Wine por R$298

Domaine Serene, que já foi chamada de “Chateau Lafite de Oregon”, provavelmente porque ela ganhou a atenção do mundo do vinho quando, em uma degustação às cegas, seus rótulos ganharam dos produzidos pela prestigiosa Domaine de La Romanee Conti.  Mais de 75 vinhos seus receberam 90 pontos ou mais no Wine Spectator desde sua primeira safra. Importação da World Wine.

Visual, amarelo claro e reflexos esverdeados.

Madeira. Frutas brancas 

Fresco, limpo e sharp. 

Em boca tem acidez agradável e instigante. Mineral. 10 meses em barrica francesa. Belíssimo chardonnay.
Servir entre 10 e 12C.
Belo vinho com a acidez de Chablis. 

8.Domaine Serene Yamhill Cuvée Pinot Noir 2009

Willamette Valley

 R$275 na World Wine.
Aromas de frutas silvestres, floral, defumado, especiarias, madeira.
Boa concentração de frutas e sem excessos de madurez

Vinho esbelto de médio corpo, mas potente em boca. Terroso. Especiarias tambem em boca e muito elegante. Amplo em boca. Equilibrado.

15 meses em barrica francesa 52% novas. 
Servir entre 15 e 17C

9.Domaine Serene Evenstad Reserve Pinot Noir 2008 !!!+

Willamette Valley

WS93 e RP92, R$398 na World Wine
Aromas frutas vermelhas, amora, framboesa. Gastronômico.
Em boca é médio corpo, com especiarias e algo terroso. 

Fino e elegante. Amplo em boca, mineral.  Servir entre 15 e 17 graus C 

10. Erath Pinot Noir 2011

Willamette, 86 pontos Wine Spectator, US$19

Pertence hoje ao grupo Chateau Ste Michelle, importação da Wine Brands,  e faz Pinot Noir confiável e de excelente qualidade e para todos os bolsos.

Fresco, frutas vermelhas no nariz, champignon e húmus.

Na boca, médio corpo e gastronômico, boa acidez, simples mas elegante e bem equilibrado .

Boa persistência. 

 

11. A to Z Pinot Noir 2011

A to Z Wineworks, Newberger, Oregon

13% graduação alcoólica, 90 pts Wine Spectator e US$18.

Um rubi quase claret, bem claro em taça.

Aromas de húmus, champignon, cereja,  pimenta e especiarias.

Em boca é sedoso, acidez equilibrada, aveludado. Médio corpo para leve, boa estrutura e vigor, embora seja muito delicado. 

Vale o mote do contra rótulo: Aristocratic Wines at democratc prices.

Nem Hugh Johnson nem Oz Clarke fala do A to Z Wineworks, mas é uma beleza por US$18. Bem superior ao Erath 2011 que também é um bom Pinot Noir, custou US$19 e tem 86 pts Wine Spectator.

 

 Para saber mais

 

As principais áreas vitícolas do Noroeste do Pacífico são:

 

  1. Columbia Valley (Col V), área extensa que chega ao Oregon. e tem como notáveis AVAs ou sub-regiões: Yakima Valley, Red Mountain e Walla Walla com alta qualidade em Cabernet Sauvignon, Merlot, Riesling, Chardonnay e Syrah.
  2. Snake River Valley, em Idaho e parcialmente em Oregon.
  3. Southern Oregon, região mais quente. Sub-regiões: Rogue, Applegate e Umpqua Valley. Tempranillo, Syrah e Viognier muito bons e muita experimentação.
  4. Willamette Valley no Oregon e onde está o melhor do Pinot Noir e Pinot Gris além de bons Chardonnays e Rieslings secos. Abriga AVAs importantes como Dundee HillsChehalem Mts,Yamhill-CarltonEola-Amity Hills.
  5. Walla Walla Valley em Walla, sub AVA de Columbia Valley com vinhos de identidade própria em vinhedos entre WA e Oregon. Ali estão a nata dos rótulos de prestígio obcecados por qualidade em Cabernet Sauvignon, Merlot e Syrah.

 

Columbia Valley uma AVA, por exemplo, abrange parte do Oregon e parte de Washington State(WA) num total de 11.520.000 acres e ali estão dois prestigiosos terroirs: Walla Walla que se espraia pelos dois estados e Yakima em WA. Já Willamette Valley abrange o noroeste do Oregon tendo como limite ao norte o rio Columbia River, e é ladeado por montanhas (a oeste as Coast Range Mountains e ao sul as Calapooya Mountains e a leste as Cascade Mountains). Em Willamette está um terroir apreciado o Dundee Hills.

 

E para poder falar dos vinhos destas duas regiões de clima mais frio e montanhas, V&G saiu garimpando o que havia de acessível e menos acessível. janeiro/2014.

 

 

 

 

 

 

About silviafranco

Wine writer.
This entry was posted in Uncategorized. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s