Uma vertical histórica de Brunello Poggio al Vento

Alfredo Srour da Franco Suissa convidou e o Conde Francesco Marone Cinzano aceitou. E trouxe ontem na bagagem 6 garrafas Magnum do vinho ícone de Col d’Orcia, o Brunello di Montalcino Riserva Poggio Al Vento, um vinho que não tira menos do que 92 pontos do crítico Robert Parker.  Primeira vez algo assim acontece em terrae Brasilis.

 

Foram degustadas as safras 1995 (95+ pontos R.Parker), 1997 (93 R.P.) , 1998 (92 R.P.), 1999 (95 R.P.), 2001 (94 R.P.) e 2004 (95+R.P.).

 

À venda no Brasil, o Brunello di Montalcino Riserva Poggio Al Vento 2006 que  recebeu a maior pontuação 96 pontos de Robert  Parker! Na Franco Suissa, a importadora de Col d’Orcia, e lojas especializadas.

 
Col d’ Orcia é especialista em Brunello e em vinho concebido para acompanhar a comida.

Brunello é dos vinhos da Toscana, o mais caro, o mais raro  e o mais longevo. E é produzido com um clone especial de sagiovese, o brunello. Deve passar no mínimo 4 anos envelhecendo , sendo que dois deles em carvalho e os outros dois afinando em garrafa. Os Riserva, 5 anos, dois anos e meio em carvalho. Os produtores tradicionais, caso de Col d’Orcia, usam boti, grandes barris de carvalho da Eslovênia, de muitos anos de uso, porque a ideia não é que a madeira interfira no vinho, apenas colabore na evolução.

 

Os vinhos desta vertical  passaram pelo menos 4 anos em boti ( alguns com 38 anos de idade!) e depois na garrafa. São vinhos aptos a envelhecimento.

Eu já havia entrevistado o conde Francesco Cinzano (sim, da família que criou o Cinzano, mas que o vendeu para se dedicar aos vinhos) em duas oportunidades sobre o ótimo cabernet sauvignon  Erasmo que ele produz no Chile e foi um prazer revê-lo e degustar o vinho ícone de Col d’Orcia. Confira no vídeo: http://player.mais.uol.com.br/embed_v2.swf?tv=2&mediaId=13946623

 

Col d’Orcia – colina do rio Orcia – é vinícola top-quality de Montalcino na Toscana, com a terceira maior área e em agosto de 2013 será certificada totalmente orgânica. O que está impresso no símbolo da vinícola: as colinas e a mão que aponta a busca continua pela qualidade.

 

Para o conde Cinzano, Col d’Orcia expressa a essência de Brunello e sua capacidade de evolução lenta e expressa o terroir da Toscana. Algo somente verificável  e que  somente se pode esperar de antigas garrafas de Brunello.  Aliás, Col d’Orcia tem a maior coleção de antigas garrafas reservas: 60 mil!

Col d’Orcia em Montalcino
Montalcino é uma das comunas com maior extensão e, portanto com muitas diferenças. Sol e clima.

 

Col d’Orcia situa-se a sudoeste, com sol todos os dias, está mais perto do mar e conta assim com influência marítima. Possui ainda um microclima único com oliveiras de 400 anos. O solo é pobre e o conde repete: em Col d’Orcia o vinho se faz no vinhedo.

 

E são práticas de Col d’Orcia a seleção clonal de sangiovese, colheita manual, seleção manual das uvas e sustentabilidade. E a tradição de Montalcino no uso de boti de 150 hectolitros onde o vinho fica afinando largos anos.

Em 2010 decidiram passar a ser totalmente orgânica, em agosto 2013 terão a plena certificação e serão os maiores de Toscana.

Poggio al Vento é um clássico além de modismos. Vem do  solo mais pobre de toda a colina. Menos de 0,5 de matéria orgânica. Produz muito pouco, baixo rendimento e grande concentração. Vem da “colina com vento” e é produzido somente nos melhores anos. A atual safra é a de 2004. 48 meses envelhecendo em boti.


Notas de degustação

Brunello di Montalcino Riserva Poggio al Vento tem sido elaborado desde 1982 até 2006, nos melhores anos.

1. Poggio al Vento Riserva 2004 R $450 em torno
Complexo, fruta negra, ameixa,. Em boca, muito fino, ainda evoluindo. Taninos delicados. Cacau. 2004 foi uma safra 3 estrelas. Equilibrado e bem jovem.

2. Poggio al Vento Riserva 2001 !!! +
Caracteriza-se pelo fato especial de que foi uma geada de primavera de 6 de abril que causou um estrago e depois um bom verão sem calores excessivos. Esta safra é muito elegante. Leve e ainda está evoluindo. Muito fino, longa persistência. Gastronômica. Ganha em elegância em relação a 1999.

3. Poggio al Vento Riserva 1999
Mais jovem que o 2001, menos evoluído. Histórica com maior concentração e mais estruturada dos últimos 20 anos. Bela textura.

4. Poggio al Vento Riserva 1998
98 é uma colheita bem toscana , bem rústica como a gente de Toscana. Apenas um problema, está entre 99 e 97, grandes safras. Complexo, gastronômico, acidez mais acentuada. Bela textura.

5. Poggio al Vento Riserva 1997
Aroma de fruta madura. Bem evoluído. A colheita do século pela qualidade. Uma colheita pequena. Com tendência de maduração mais rápida. Teve uma geada forte. Bem evoluído e muita estrutura, claro, é um Brunello, me responde o conde Cinzano quando faço uma observação sobre a estrutura deste 97.

6. Poggio al Vento Riserva 1995 !!!
Ainda jovem, parece mais jovem do que 2001.
Aromas soberbos, magníficos. É a colheita perfeita e ainda pode envelhecer muito. Equilíbrio, potência, frescor, fruta.

Uma vertical histórica! Grazie Conde Francesco Cinzano e Alfredo Srour!

About silviafranco

Wine writer.
This entry was posted in Como se faz o vinho, Notícias and tagged . Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s