Don Caudron, champagne de quem planta seus próprios vinhedos

ImageEm Champagne existem champagnes de recoltant e champagnes de negociant.

 

Recoltant são aqueles que possuem as terras, trabalham nelas e nem sempre têm o capital para transformar suas uvas em champanhes engarrafados e distribuídos no mercado. O negociant é quem compra as uvas desses pequenos proprietários e que faz seu próprio champanhe.

 

Pois em 1929, um abade de coração generoso, visão e sentido de comunidade doou 1000 francos a um grupo de viticultores para que pudessem iniciar sua própria cooperativa. Domaine Dom Coudron, da village Coudron em Passy-Grigny, na Champagne, reúne hoje 75 pequenos proprietários em 130 hectares de vinhedos.

 

David Sibillote é diretor da Cooperative Vinicole de Passy-Grigny e bisneto de seu primeiro presidente, Camille Philippe, que dá nome ao champagne rosé do Domaine. Veio apresentar os champanhes que brevemente estarão no mercado brasileiro. Em Passy-Grigny a casta, uva dominante é a pinot meunier, que faz um champanhe redondo, frutado e delicado.

Champagne Dom Caudron Brut é um champanhe para
aperitivo. Leve, delicado, com aromas cítricos, lima, fermento e um
toque de mel. Cremosa com uma mousse encantadora. Deve chegar a preço
por volta de R$170.

Champagne Dom Caudron Rosé de perlage abundante, persistente e fina, aromas cativantes de frutas vermelhas, bem frutado e com uma acidez saborosa. Bem estruturado e redondo.

 

Champagne Dom Caudron Millesime 2005 acompanha bem refeições. Fresco e com frutas maduras, brioche, pão tostado, mel. Mais complexo, conta com 50% de chardonnay que envelhece em barricas por 6 meses. Uma explosão de aromas e texturas.

 

Champagne Dom Caudron Cuvée Cornalyne oferece uma textura generosa, redonda em boca. É um champagne preciso, sharp, muito gastronômico, de perlage brilhante e viva, persistente em boca. Complexo, equilibrado, 100% pinot meunier, sendo 50% com passagem em barrica.

 

Os champanhes do Domaine Champagne Dom Caudron são elegantes, vivos, delicados e cativantes. Não têm nada de produção em massa, de indústria. O total de garrafas por ano é de apenas 100 mil, uma quantidade mínima perto das indústrias de champanhe francesa. Champanhes feitos por quem sabe cuidar das vinhas e dos próprios vinhos. É aguardar para conferir e se deleitar!

About silviafranco

Wine writer.
This entry was posted in Uncategorized. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s