Um tesouro no mar: Veuve Clicquot 1780?

Incrível, o champanhe que passou 230 anos sob as aguas profundas do mar Báltico está maravilhoso, dizem os que tiveram a rara oportunidade de degustar o vinho. A recente descoberta no fundo do mar Báltico próximo à Finlândia de um carregamento de mais de 30 garrafas de champanhe de idade de 230 anos tem agitado o mundo do vinho. O pessoal da Moet & Chandon tem 98% de certeza de que pertencem a Veuve Clicquot por conta de ostentarem o símbolo da Maison na época. Depois de dois séculos passados no mar em condições ótimas de conservação -temperatura fresca e constante, ausência de luz e de movimento -, o precioso néctar ainda efervescente surpreendeu por seu gosto “fabuloso” apesar de sua idade. Se a data e a origem forem confirmadas, estas serão o mais velho champanhe bebível do mundo. Hoje quem detém este recorde é a Perrier-Jouët com duas garrafas que datam de 1825.  Se a descoberta confirma que as garrafas são da  Veuve Clicquot do fim de século 18, cada uma dessas garrafas poderá alcançar a cifra de 53 000 euros ! (fonte: La Revue du Vin de France agosto 2010) Graças ao comentario ao lado, soubemos que as garrafas nao pertencem à Veuve Clicquot, mas à extinta Juglar.

About silviafranco

Wine writer.
This entry was posted in Notícias and tagged , . Bookmark the permalink.

One Response to Um tesouro no mar: Veuve Clicquot 1780?

  1. As garrafas de #champagne encontradas no navio naufragado não sao Veuve Cliquot: http://bit.ly/aWrCuT”

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s